Acervo Histórico do Livro Escolar - AHLE

O ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR é formado pelo conjunto de livros escolares das antigas bibliotecas públicas infantis da cidade de São Paulo.

Com 5 mil volumes, o Acervo é composto por cartilhas, manuais escolares de todas as matérias de ensino, antologias literárias e livros de referência de uso escolar, entre outros, do século XIX até a década de 1980 e abrange os cursos primários, os secundários, os de formação de professor e o ensino técnico.
O Acervo está localizado na Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Neste blog serão publicadas informações sobre esse acervo.


Seja bem-vindo.







terça-feira, 10 de março de 2009

Colégio Abilio

O livro "O Ateneu", publicado em 1888 por Raul Pompéia (1863-1895), trata de um internato de meninos no Rio de Janeiro do século XIX. É literatura pedida em vestibular e muito usada nos cursos de Educação, por reproduzir as relações conflituosas e autoritárias dentro de uma escola.
Assim, a escola  é metáfora para retratar a sociedade brasileira do fim do século XIX. “Vais encontrar o mundo”, referência na obra de Pompéia sobre a escola.
O livro tem um quê memorialístico, pois Raul Pompéia estudou no Colégio Abílio da Corte, no Rio de Janeiro, escola de propriedade e dirigida por Abílio César Borges (1858-1891) médico e educador baiano conhecido como Barão de Macaúbas[1] (município da Bahia).
O Colégio Abílio e o seu diretor estão representados no relato de Pompéia.
"O Ateneu" é considerado uma das obras mais importantes do realismo e da literatura brasileira do século XIX.
O ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR tem um livro sobre Castro Alves[2] e nele, uma fotografia antiga do Colégio Abílio, frequentado também pelo poeta.
O prédio ainda existe no bairro de Laranjeiras, onde funciona o Instituto João Alves Afonso, atual creche da Santa Casa de Misericórdia.
Fonte: "História de Castro Alves", 1947

[1] Sobre as escolas do Barão de Macaúbas verificar, entre outros, VALDEZ, Diane. "Mens Sana in Corpore Sano. Os Colégios do Dr. Abílio César Borges". In: www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando

[2] MACHADO FILHO, Aires da Mata. "História de Castro Alves". Belo Horizonte, Edição de “ROCHA”, 1947.

Livros escolares de Duque Estrada



Joaquim Osório Duque Estrada (1870-1927), foi poeta e jornalista e é conhecido como o letrista do Hino Nacional brasileiro. A música foi composta em 1822, por Francisco Manuel da Silva, como Hino da Independência e aproveitada após um concurso vencido por Duque Estrada em 1909, para a escolha da melhor letra do Hino Nacional. Com isso, neste ano de 2009, a letra faz cem anos. Por conta dessa efeméride, os descendentes do autor estão organizando uma exposição e a publicação de um livro, que sem dúvida, serão divulgados pela imprensa. O que poucos sabem é que Duque Estrada foi também educador. Professor da Escola Normal, professor de História do Colégio Pedro II e autor de livros escolares. O ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR possui dois livros do autor: “Histórias Maravilhosas”, Rio de Janeiro, Livraria Fco Alves, 1946, 4ª. Ed., com contos adaptados para as crianças em dois volumes e “Noções de História do Brasil - para as escolas primárias do Distrito Federal”, Livraria Fco. Alves, 1924, 5ª. Ed.