Acervo Histórico do Livro Escolar - AHLE

O ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR é formado pelo conjunto de livros escolares das antigas bibliotecas públicas infantis da cidade de São Paulo.

Com 5 mil volumes, o Acervo é composto por cartilhas, manuais escolares de todas as matérias de ensino, antologias literárias e livros de referência de uso escolar, entre outros, do século XIX até a década de 1980 e abrange os cursos primários, os secundários, os de formação de professor e o ensino técnico.
O Acervo está localizado na Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Neste blog serão publicadas informações sobre esse acervo.


Seja bem-vindo.







sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Viriato Corrêa: literatura e educação



Viriato Corrêa (1884-1967), reconhecido escritor e jornalista, além de literatura, escreveu livros de uso escolar. (1) Foram vários os escritores que se dedicaram a escrever livros didáticos ou paradidáticos para crianças.  Da mesma forma, os primeiros livros de literatura infantil usados nas escolas foram escritos por professores. Além dos ensinamentos próprios, esses livros traziam histórias exemplares, lições de moral e de comportamento.
Um dos livros mais célebres do Viriato é Cazuza, no qual retrata aspectos da educação escolar dos anos de 1930. Para quem usa literatura como uma das fontes de pesquisa para a História da Educação, esse livro é, entre outros, uma rica referência..
Viriato Corrêa tem muitos livros de História do Brasil ilustrados por Belmonte, famoso ilustrador de livros de literatura. Belmonte ficou conhecido como um dos principais ilustradores da obra infantil de Monteiro Lobato.
É interessante notar que Viriato enfatizava em seus livros para crianças a importância das ilustrações, recurso usado principalmente a partir dos anos de 1930. No preâmbulo do livro História do Brasil para crianças, de 1934 (o AHLE possui a edição de 1952) o autor assim se expressa:

Às crianças só interessa o que é vistoso (...). O aspecto filosófico produz-lhes enfado e sonho. Neste livro procura-se dar as crianças apenas a superfície vistosa da história brasileira.

Muitos dos livros de Viriato ou outros escritores foram usados como leituras cívicas. Um exemplo é o livro Contos da História do Brasil (para uso das escolas), de 1921. Nele o autor, dirigindo-se ao leitor, explica que adotou a classificação por períodos históricos de Sylvio Romero, pois classificações facilitam o entendimento da criança. Assim o livro é escrito em ordem cronológica dos acontecimentos desde o Descobrimento até a República, dividido em cinco episódios.
O AHLE mantém vários livros de escritores que se dedicaram também a escrever livros de ensinamentos para as crianças.
Outros livros do AHLE de Viriato Correa: As belas histórias do Brasil, de 1947, Cia Ed Nacional com ilustrações de Manuel Vitor de Azevedo Fo. e Curiosidades da História do Brasil, de 1952.


(2)





Notas


(1) Um trabalho bem abrangente sobre Viriato: Literatura Infantil, história e educação: um estudo da obra de Viriato Corrêa foi Dissertação de Mestrado da Faculdade de Educação da UNICAMP escrita por Ana Elisa de Arruda Penteado em 2002. Atualmente a autora doutorou-se em Educação.

(2) História do Brasil para crianças. p. 42. Ilustração retratando Pedro Álvarez Cabral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário